sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Prévia do Artigo Científico


Bem pessoal, em breve estaremos postando o artigo científico que defenderá  a existência do Grupo de Astronomia e Física Concórdia - SC.

Hoje o mesmo foi enviado para avaliação, assim que recebermos sinal positivo, estaremos postando aqui o artigo científico. Confira na imagem uma "prévia" do artigo, contendo o Resumo e Abstract".


quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Foguete Atlas V, decola com duas sondas espaciais

A Nasa lançou nesta quinta-feira do Cabo Canaveral, na Flórida, um foguete Atlas V que deverá pôr em órbita duas sondas para estudar a influência do Sol sobre a Terra e os anéis de radiação que a cercam. 

O lançamento aconteceu às 5h05 de Brasília após vários adiamentos devido a problemas técnicos e ao mau tempo na região pela proximidade da tempestade tropical Isaac. 


A missão, denominada Radiation Belt Storm Probes (RBSP), tem como objetivo estudar os cinturões de Van Allen, dois anéis gigantes de plasma que envolvem a Terra e onde se concentram as partículas eletrificadas que formam 99% do universo. 

Com isso, os cientistas pretendem conhecer melhor o clima espacial próximo à Terra e proteger os humanos e seus sistemas eletrônicos das tempestades geomagnéticas, além de poder estudar o plasma, um ambiente tão diferente do nosso que é considerado crucial para compreender a composição de cada estrela e galáxia. 

Degelo no Ártico Bate Recorde



Degelo no Ártico bate recorde e tendência é que área continue derretendoUma quantidade crítica de gelo no Oceano Ártico derreteu este ano, chegando a um novo recorde, de acordo com o Centro Nacional de Dados da Neve e do Gelo (da sigla em inglês NSIDC) dos Estados Unidos. De acordo a instituição, a cobertura de gelo do Ártico chegou a 4,09 milhões de km2 e deve encolher ainda mais nas próximas semanas. O recorde anterior era de 4,17 milhões de km2, em setembro de 2007.

No inverno do Hemisfério Norte, a água congelada tem uma área de 15,54 milhões de km2. Durante o verão acontece um encolhimento da área e depois o gelo aumenta novamente no outono. Por isso, geralmente, o gelo marinho ártico chega na sua extensão mínima em meados de setembro.

Porém, para pesquisadores do NSIDC, mesmo que fatores naturais estejam envolvidos neste degelo, o encolhimento recorde está relacionado às mudanças climáticas causadas pela emissão de gases de efeito estufa. Os cientistas acrescentam que está se aproximando o dia em que não haverá mais gelo no Ártico durante o verão.

Acredita-se que o gelo na região ajude a controlar as temperaturas do hemisfério norte. Caso haja a perda do gelo, aumentam as chances de secas, enchentes e ondas de calor. Além disso, o gelo também é o habitat de animais como os ursos polares. Contudo, este degelo não está ocorrendo apenas no Ártico, mas também em geleiras no Alasca, Canadá e Groenlândia.[SeuHistory]


NASA lançará celulares com Android como Satélites





Um projeto da Nasa, chamado PhoneSat, enviará smartphones com o sistema Google Android para o espaço. O objetivo do projeto é baixar o gasto com a construção de satélites espaciais, já que muitos smartphones possuem os recursos necessários como processadores rápidos, câmeras e sensores. Desta maneira, seria possível que qualquer pessoa possa lançar o seu próprio satélite. O primeiro modelo, o PhoneSat 1.0, custou cerca de US$ 3,5 mil para ser construído. O protótipo é do tamanho de um copo pequeno e tem formato de cubo. No seu interior estará um celular modelo HTC Nexus One, uma antena externa de rádio, baterias externas e um circuito para reiniciar o dispositivo caso ele pare de funcionar. O lançamento deverá ocorrer em breve e a primeira tarefa do PhoneSat 1.0 será o envio de fotos do espaço para a Terra.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

WISE da NASA revela Milhões de Buracos Negros





Pesquisa do WISE da NASA revela milhões de buracos negros


Imagem meramente ilustrativa.

A Missão "Wide-field Infrared Survey Explorer" (WISE) da NASA está descobrindo novos buracos negros supermassivos e  galáxias extremas, galáxias obscurecidas por poeira. 


Imagens do telescópio revelaram milhões de candidatos a buracos negros, e 1.000 objetos   pensados para estar entre as galáxias mais brilhantes já encontradas. Estas galáxias poderosas que brilham com luz infravermelha são apelidadas de cachorros-quentes. 

"O WISE tem exposto uma mistura variada de objetos escondidos" 

Disse Hasan Hashima, cientista do programa WISE da NASA na sediado  em Washington.

 "Nós encontramos um asteroide dançando à frente da terra em sua órbita, as esferas de estrelas como mais frias conhecidas e agora, os buracos negros supermassivos e galáxias se escondendo atrás de campos de poeira." (Hasan Hashima)

WISE digitalizou todo o céu duas vezes em luz infravermelha, completando a sua pesquisa no início de 2011. O telescópio capturou milhões de imagens do céu. Todos os dados da missão foram liberados ao público, permitindo que os astrônomos analisassem e pudessem fazer novas descobertas. 

As últimas descobertas estão ajudando os astrônomos compreendem melhor como galáxias e os buracos negros supermassivos crescem em centros galáticos e podem evoluir juntos. Por exemplo, o buraco negro gigante no centro da nossa galáxia Via Láctea, chamado de Sagitário A *, tem 4 milhões de vezes a massa do nosso sol e passou por frenesis de alimentação periódicas onde material cai em direção ao buraco negro, aquece e irradia seus arredores. Buracos Negros centrais podem chegar até um bilhão de vezes a massa do nosso sol, podendo até "desligar" a formação estelar em galáxias. 

Em um estudo, os astrônomos usaram o WISE para identificar cerca de 2,50 milhões de  buracos negros supermassivos ativos, que remonta a distâncias de mais de 10 bilhões anos-luz de distância. Cerca de dois terços desses buracos negros nunca tinha detectados antes porque a poeira interestelar bloqueia a luz visível. WISE vê facilmente esses "buracos negros monstros" porque seus discos de acreção são poderosos e aquecem o pó, fazendo-os brilhar na luz infravermelha.

Em dois outros dados do WISE, os investigadores relatam encontrar o que estão entre as mais brilhantes galáxias conhecidas, um dos principais objetivos da missão. Até agora, eles identificaram cerca de 1.000 candidatos. 

Esses objetos de extremos podem emanar mais de 100 trilhões vezes mais luz que o nosso sol. Eles são tão empoeirados, no entanto, eles aparecem só na maior faixa de luz infravermelha do espectro, capturado pelo WISE. O telescópio espacial Spitzer da NASA acompanharam as descobertas mais detalhadamente e ajudou a mostrar que, além de hospedagem de buracos negros supermassivos febrilmente há gás e poeira, estes estão  produzindo novas estrelas. 


"Estas empoeiradas galáxias estão formando-se são raras o WISE tinha a varredura de todo o céu para encontrá-los,"

Disse Peter Eisenhardt, principal autor do livro sobre as primeiras destas brilhantes galáxias empoeiradas e cientista do projeto WISE no JPL.

"Vemos evidência que estas galáxias empoeiradas podem ter formado seus buracos negros antes da maior parte de suas estrelas. Os 'ovos' podem ter vindo antes da 'galinhas'." 


Mais de 100 desses objetos, localizado a cerca de 10 bilhões anos-luz de distância, foram confirmados usando o Observatório de Keck: Mauna Kea, no Havaí, como o Observatório Gemini no Chile, perto de San Diego e o Observatório de telescópios de vários espelhos  perto de Tucson, Arizona e do Telescópio Hale de 200 polegadas do Monte Palomar 

As observações do WISE  combinadas com dados no mesmo comprimentos de onda infravermelhos do Observatório Caltech , no topo do Mauna Kea, no Havaí, revelou que estas galáxias extremas são mais de duas vezes tão quentes como outras galáxias brilhantes de infravermelhos. Uma teoria é que seu pó é aquecido por uma extremamente poderosa explosão de atividade do buraco negro supermassivo. 


"Nós pode estar vendo uma fase nova, rara na evolução de galáxias," disse Wu Evillyn de JPL, principal autor do estudo sobre as observações de submillimeter. Todos os três documentos estão sendo publicados no Astrophysical Journal.[NASA


Para obter mais informações sobre o WISE, visite: 

domingo, 26 de agosto de 2012

Ponto de exclamação no universo



O espaço sideral também faz lá suas metáforas. Um evento cósmico de grande porte, tal como uma colisão entre duas galáxias, merecia mesmo ser marcado no céu de maneira notável. E foi isso que a NASA fotografou na última semana: um gigantesco ponto de exclamação.

Música na Infância deixa ouvidos mais apurados



Música na infância dá ouvido mais apurado para o resto da vida







Muitos dos hobbies que temos quando crianças não dão frutos se a gente os abandona depois de alguns anos. Mas esse parece não ser o caso da música. Pesquisadores da Universidade do Noroeste, em Chicago (Illinois, EUA), apontam que adultos com uma infância regada a notas musicais apresentam audição mais apurada e aprendizado mais fácil.

sábado, 25 de agosto de 2012

The Unbroken - Symphony of Science (Legendado)

Legendamos o vídeo/música 

The Unbroken - Symphony of Science 


Primatas fabricam ferramentas como os primeiros hominideos



Bonobos fabricam ferramentas para diferentes usos

A espécie 'Pan paniscus' é, juntamente com os chimpanzés a mais próxima do ser humano





Os bonobos (Pan paniscus) são, juntamente com os chimpanzés (Pan troglodytes), os mamíferos geneticamente mais próximos do ser humano. Um estudo publicado agora na «Proceedings of the National Academy of Sciences» (PNAS) revela a capacidade destes símios fabricarem ferramentas em pedra para as utilizarem com um objectivo próprio. O autor da proeza foi Kanzi, um bonobo de 32 anos, famoso pela sua inteligência: conhece a linguagem gestual, é capaz de entender e expressar ideias relativamente complexas e até de inventar novas palavras. Além de fabricar ferramentas utiliza-as de todas as formas possíveis.
A equipe de investigadores da Universidade de Haifa (Israel) pôs em prova as capacidades de Kanzi. Deram-lhe troncos de madeira com comida enterrada no seu interior e uma série de pedras sílex. O bonobo fabricou várias ferramentas diferentes para abrir os troncos e deu-lhes diferentes usos.

Kanzi utilizou múltiplas estratégias para a abrir os 24 troncos com as ferramentas que criou – machados, martelos e alavancas – e conseguiu abrir todos.

Os investigadores especulam que a utilização que o bonobo faz das ferramentas não é muito diferente da que faziam os primeiros hominídeos há mais de dois milhões de anos.

Ainda assim há diferenças importantes. A primeira é que este bonobo foi criado num ambiente muito distinto dos outros membros da sua espécie. A segunda é que o fabrico de ferramentas foi-lhe ensinado, não descobriu sozinho. A bonoba Pan-Banisha, de 28 anos, também participou na experiência. Conseguiu abrir os troncos mas apenas atirando-os contra o chão, apesar de também saber fabricar ferramentas.

Alta competência intelectual”
Os investigadores enterraram a comida dentro do tronco pois queriam perceber como os bonobos chegavam até ela. Quando a areia estava mais solta, tiravam com as mãos; quando estava mais compactada usavam ferramentas. O Kanzi chegou mesmo a fabricar, por duas vezes, uma lâmina de sílex para facilitar o trabalho.

Apesar de existirem outras espécies que utilizam ferramentas, a sofisticação com que os chimpanzés e os bonobos o fazem não tem comparação. Segundo os investigadores, este estudo demonstra a “alta competência intelectual e o engenho” destes símios.[CienciaHoje]

Descoberto 41 novos planetas


41 Novos planetas em trânsito no campo de visão da missão Kepler da NASA


Dois recentes estudos apresentados verificaram 41 novos planetas em trânsito em 20 sistemas estelares. Esses resultados podem aumentar o número de planetas confirmados de Kepler em mais de 50%: 116 planetas hospedados em 67 sistemas, mais de metade contém mais de um planeta. Os trabalhos estão atualmente sob revisão científica.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Moto voadora de Star Wars vira realidade


Motocicleta voadora de Star Wars finalmente vira realidade


Quem assistiu o filme “O Retorno do Jedi”, da série de filmes “Guerra nas Estrelas”, deve lembrar da cena da perseguição na floresta com motos voadoras (foto abaixo). Rápidas, ágeis e bonitas, tenho certeza que todo mundo que assistiu sentiu vontade de ter uma. Agora você pode.

Em 2016 NASA pretende enviar nova sonda à Marte



Nasa vai enviar nova missão a Marte em 2016

Objetivo irá explorar o interior do planeta vermelho e descobrir por que ele não evoluiu como a Terra, apesar de também possuir uma composição rochosa.


Concepção artística da sonda InSight, que deve ser enviada a Marte em 2016 (Divulgação/Nasa)


Apenas duas semanas depois de enviar o jipe robô Curiosity a Marte, na mais audaciosa missão ao planeta vermelho desde os anos 1970, a Nasa anunciou nesta segunda-feira que pretende mandar mais uma nave a Marte em 2016. O objetivo do novo projeto da agência espacial americana é investigar o interior do planeta e entender por que ele evoluiu de maneira tão diferente em relação à Terra, mesmo ambos tendo composição rochosa.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Galáxia 'solitária' a 9 milhões de anos-luz



Hubble detecta galáxia 'solitária' a 9 milhões de anos-luz do Sistema Solar

O telescópio Hubble, operado pela agência espacial americana (Nasa) e pela Agência Espacial Europeia (ESA), flagrou uma galáxia isolada chamada DDO 190, a cerca de 9 milhões de anos-luz do nosso Sistema Solar. 

DD0 190 foi descrita pela primeira vez em 1959 e pertence ao grupo de galáxias Messier 94. Foto: ESA/Nasa

Nasa descobre falha na Sonda Curiosity



A Nasa (a agência espacial americana) admitiu nesta terça-feira seu primeiro fracasso desde a chegada do Curiosity a Marte: a perda de um dos dois sensores para medir a velocidade do vento. Os dados do sensor, situado na extremidade do robô, chegam "saturados", disse Ashwin Vasavada, um dos responsáveis da estação meteorológica do Curiosity. 

Apesar da quebra de sensor, Nasa diz que está tudo bem com a sonda.
Foto: Andrew Bodrov/Nasa/Divulgação

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Universo Aprox. 13,2 Bilhões de anos e galáxias visíveis com 31,7 Bilhões de anos?



Se o universo tem aproximadamente 13,2 bilhões de anos, por que astrônomos afirmam que existem galáxias há 31,7 bilhões de anos?



Em 2003, um trabalho publicado no Physical Review Letters apontava que o raio do universo visível não poderia ser inferior a 46,5 bilhões de anos-luz. Em janeiro de 2011, o Hubble encontrou aquele que é considerado o mais distante objeto já observado, uma estrutura estelar chamada UDFj-39546284, cuja luz viajou por 13,2 bilhões de anos, e que deve estar a aproximados 31,7 bilhões de anos-luz de distância.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

O que é uma Teoria Científica?



O QUE É UMA TEORIA CIENTÍFICA?

“Toda a nossa ciência, comparada com a realidade, é primitiva e infantil – e, no entanto, é a coisa mais preciosa que temos” — Albert Einstein
Uma das “acusações” lançadas aos cientistas é que a evolução é só uma teoria, não uma lei ou um fato, e que portanto, não merece confiança. Em parte, tal acusação é verdadeira: a teoria da evolução não é uma lei, é “só uma teoria”. Mas a teoria da gravitação também “é só uma teoria”, e você não vê ninguém se amarrando ao chão por causa disso.
“Teoria” no sentido coloquial (“Tenho uma teoria de que meu irmão está comendo meu chocolate”) é muito diferente de uma teoria científica. Não existe tal coisa como “só uma teoria” científica. A do chocolate é uma “teoria” muito diferente da teoria da relatividade, por exemplo. A teoria da relatividade é uma teoria científica, que se relaciona com fatos e hipóteses, e é constantemente substituída ou aperfeiçoada ao longo de muito tempo e esforço. Quando os cientistas usam o termo “teoria” você tem que lembrar que este termo é parte do jargão da profissão deles e quando você usa no seu dia-a-dia está se referindo a uma hipótese.
(se você está vendo pela visualização da página inicial do Blog, clique em conferir post completo, ou clique no nome da reportagem, para conferir na integra).

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Agradecimentos


     Olá leitores do Ciência Sem Censura, venho aqui agradecer por acompanharem a página e quero também agradecer especialmente aos leitores Estrangeiros especialmente os leitores dos United States of American que totalizam a maior porcentagem de acessos em nossa página, é incrível saber  que pessoas do mundo estão sendo alcançadas com nossas postagens.

Vejam as estatísticas das visitas nas próximas duas imagens feitas hoje: 13 de Agosto de 2012.
Nesta constam as visitas dos últimos 30 dias

Nesta consta todas as visualizações do blog desde o seu início

Agradecemos mais uma vez à todos os leitores, Brasileiros e de todas as nacionalidades. Muito obrigado pela sua visita ao blog. 

Teletransporte Quântico bate Recorde


Novos Horizontes
Teletransporte quântico atinge distâncias recordes
por John Matson [Scientifc American Brasil]
ESA
A Estação Terrestre Ótica da Agência Espacial Europeia, em Tenerife, nas Ilhas Canárias, foi usada como receptor em experimentos recentes de teletransporte quântico. 
Duas equipes de pesquisadores estenderam o alcance do teletransporte quântico a distâncias sem precedentes, mais ou menos o equivalente ao percurso de Nova York à Filadélfia. Mas não espere que estações de teletransporte substituam aeroportos ou terminais de trem: o feito só modifica o estado quântico de um único fóton. E apesar de parte da transferência acontecer instantaneamente, os passos necessários para ler o estado quântico teletransportado garantem que nenhuma informação possa ser transmita mais rápido que a velocidade da luz. 

O teletransporte quântico depende do fenômeno do emaranhamento, que permite a partículas compartilhar uma ligação frágil e invisível pelo espaço. Dois fótons emaranhados, por exemplo, têm estados de polarização correlatos e opostos – se um fóton estiver verticalmente polarizado, por exemplo, o outro deve estar horizontalmente polarizado. Mas, graças às intricâncias da mecânica quântica, a polarização específica de cada fóton permanece incerta até que uma delas seja medida. Nesse instante a polarização do outro fóton assume a orientação oposta, mesmo a muitos quilômetros de distância. 

Um par de fótons emaranhados serve como intermediário no esquema padrão de teletransporte. Suponha que uma pessoa, que chamaremos aqui de Alice, queira teletransportar o estado quântico de um fóton para outra, o Bob. Primeiro ela pega um membro de um par de fótons emaranhados e Bob pega o outro. Então Alice deixa seu fóton emaranhado interferir com o fóton a ser teletransportado e executa uma medição da polarização com um desfecho dependente do estado quântico de ambas as partículas. 

Graças à ligação entre Alice e Bob, forjada por emaranhamento, o fóton de Bob imediatamente sente o efeito da medição feita por Alice. O fóton do rapaz assume o estado quântico do fóton original da moça, mas de forma um tanto confusa. Bob não pode recuperar o estado quântico que Alice queria teletransportar até que reverta essa confusão, alterando seu fóton de uma forma que depende do resultado da medição de Alice. Então ele deve esperar Alice lhe dizer como completar o teletransporte – e as palavras dela não podem viajar mais rápido que a luz. Essa restrição garante que informações teletransportadas obedeçam ao limite de velocidade cósmico. 

Apesar de o teletransporte não permitir uma comunicação superluminal, ele fornece um caminho ao redor de outro obstáculo físico conhecido como teorema da não-clonagem. Esse teorema afirma que não é possível copiar perfeitamente um objeto quântico para, por exemplo, enviar um fax para outra pessoa. Mas o teletransporte não cria uma cópia em si – ele simplesmente muda a informação quântica de um local para outro, destruindo a original no processo.  

Por que Marte é Vermelho?




Agora que a nave Curiosity conseguiu pousar com segurança em Marte, podemos esperar uma inundação de fotos avermelhadas. Mas por que mesmo o planeta vermelho é vermelho?
A resposta mais simples e óbvia é que Marte é vermelho por que o regolito, ou a poeira que cobre o planeta, é rica em óxido de ferro, ou ferro “oxidado”, o mesmo elemento que também dá a cor avermelhada ao sangue. Mas esta resposta levanta outras três: por que Marte é rico em ferro? Por que este ferro está oxidado? E por que o ferro oxidado tem esta coloração avermelhada?

Erupção Solar Incrível

Erupção Solar Incrível e Belíssima



A NASA capturou no fim de semana de 4 de agosto, um filamento solar superquente que entrou em erupção, formando um arco no espaço, conectando duas enormes manchas solares.
A foto e o vídeo foram feitos pelo Observatório Dinâmico Solar (ODS) da NASA, sonda que estuda a nossa estrela desde fevereiro de 2010.
O ODS, projeto de 850 milhões dólares (R$ 1,7 bi), é a primeira nave de uma frota de esforços da NASA para estudar o nosso sol. A missão de cinco anos da sonda é a principal de um programa científico chamado “Living with a Star” (“Vivendo com uma estrela”), que visa à melhor compreensão dos aspectos do sistema sol-Terra que afetam a nossa vida e sociedade (o astro pode até estrelar o fim do mundo, já que como toda estrela, pode morrer e “nos deixar na mão”).
E se você acha que o sol só serve para queimar nossa pele, saiba que ele interfere na Terra muito mais do que isso. Além de possibilitar a existência da vida como a conhecemos, muitas outras ações solares têm consequências para nós, como as erupções recentes.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Nova Espécie de humanos pode ter sido descoberta




Nova espécie de humanos pode ter sido descoberta







Acredita-se que a linhagem do ser humano “Homo” surgiu há 2,5 milhões de anos, coincidindo com as evidências mais antigas de ferramentas, feitas de pedra. E até a metade do século passado, acreditava-se que o ancestral humano mais antigo era o Homo erectus.
50 anos atrás, na Garganta de Olduvai, foi descoberto outro hominídeo mais primitivo, o Homo habilis, com o crânio menor e esqueleto mais simiesco.
Mais tarde, em 1972, foi descoberto no Quênia um outro crânio, que recebeu o nome de KNM-ER 1470, e agitou o meio paleontológico desde então: alguns entendiam que as características dele, como a face mais achatada e o cérebro maior que o do H. habilis, indicavam tratar-se de uma nova espécie, que recebeu o nome provisório Homo rudolfensis.
O problema era que a comparação era difícil de ser feita, já que só havia um pedaço do crânio e nenhuma mandíbula do H. rudolfensis. A diferença entre ele e o H. habilis poderia ser um caracter sexual secundário, por exemplo, ou uma variação geográfica.
Mas isto mudou com a descoberta de alguns fragmentos em 2007 e 2009, não mais de 10 quilômetros distante de onde o KNM-ER 1470 foi encontrado. Os novos fósseis tem entre 1,78 e 1,95 milhões de anos, e receberam o nome de KNM-ER 60000 e KNM-ER 62000.
A foto que ilustra este artigo é uma reconstrução do crânio do H. rudolfensis, usando a face encontrada em 1972, a mandíbula KNM-ER 60000, e um crânio obtido por tomografia.
A análise das descobertas, publicada este mês, aponta que a mandíbula tem uma forma em U, e diferente da mandíbula em V do H. habilis, o que indica que a dieta do novo hominídeo era diferente: ele provavelmente era mais vegetariano. Por esta análise, o H. rudolfensis realmente se trata de um novo hominídeo.
O trabalho, publicado por Meave Leakey, do Insituto Turkana Basin, do Quênia, Fred Spoor, do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, da Alemanha, e equipe de colaboradores, sugere que dois milhões de anos atrás, no lago cercado de vegetação luxuriante que existia ali no norte do Quênia, não só duas, mas três espécies de hominídeos compartilhavam o mesmo ambiente.
O que aconteceu então com o H. habilis e o hominídeo descrito recentemente, que talvez venha a se chamar H. rudolfensis? Um beco sem saída evolutivo? Será que o H. erectus descende de alguma destas linhagens, ou de um outro Homo, ainda não descoberto?[LiveScienceG1NatureHominid Hunting/DiscoveryScience and Creation][HypeScience]

Moedinha da Sorte no Curiosity



"Moeda da sorte" fixada no Curiosity vai ajudar testes da Nasa em Marte

Um centavo de dólar, de 1909, estampa o ex-presidente Abraham Lincoln. Objeto será usado para estabelecer escala de tamanho de objetos achados. 

"Moedinha da Sorte" permitirá fazer as escalas dos objetos encontrados em Marte. Imagem: NASA/JPL-Caltech

O jipe-robô Curiosity, que está em Marte desde segunda-feira (6) e vai passar pelo menos dois anos no planeta vermelho em busca de indícios favoráveis à vida, levou consigo uma "moedinha da sorte", que ajudará a agência espacial americana (Nasa) a fazer testes em uma das câmeras do veículo. 


quarta-feira, 8 de agosto de 2012

No futuro Sondas serão do tamanho de grãos de areia




Novas sondas a explorar Marte podem ser do tamanho de um grão de areia


A nave Curiosity (“curiosidade”, em português) da NASA, conhecida oficialmente por Laboratório Científico de Marte, chegou ao planeta no último domingo, 5, no qual vai passar dois anos procurando sinais que indiquem que Marte já abrigou um dia ingredientes para a existência da vida.
O projeto custou US$ 2,5 bilhões (cerca de R$ 5 bilhões), e exigiu um sistema muito complicado de pouso no planeta (os “sete minutos de terror”) por conta de seu tamanho e peso – Curiosity é mais de duas vezes maior e cinco vezes mais pesado que outras naves da NASA, como Spirit e Opportunity.
Pesando 899 kg e carregando mais 80 kg de instrumentos científicos, a sonda precisava ser do tamanho de um carro SUV.
Esse tamanho todo, além de causar tensão no pouso (no qual um errinho qualquer pode comprometer toda a missão), também exige muito combustível, o que torna a nave muito cara.
Sendo assim, cientistas estão trabalhando com “nanorobôs” para substituir as sondas atuais, pois necessitariam de menos recursos, seriam muito menores (cerca de um bilionésimo do tamanho de Curiosity), e poderiam tornar missões futuras mais práticas e frequentes.

“Como areia no vento”

Os primeiros nanorobôs imaginados pelos pesquisadores seriam como “grãos de areia inteligentes”: uma nave “despencaria” cerca de 30.000 nanorobôs do tamanho de um grão de areia, que se movimentariam usando o vento de Marte como propulsão, aproveitando a baixa gravidade local (38% do que a da Terra).
Cada robô deve conter um nanoprocessador, uma antena para comunicação com seus vizinhos, um sensor de coleta de dados e uma “casca” controlada remotamente que permite mudança de forma.
Uma vez no chão, os robôs seriam capazes de cobrir milhares de quilômetros do planeta, estudando sua composição química e comunicando as informações para a Terra.

Criado Primeiro Roteador Quântico


Criado o primeiro roteador quântico





A física quântica carrega muitas promessas: uma vez dominada, poderá permitir a criação de computadores infinitamente mais rápidos do que os atuais, conexões de internet com capacidade muito maior de transmissão de dados e códigos de proteção de informações praticamente inquebráveis.
Ao contrário do que ocorre na física convencional, no “mundo quântico” uma partícula é capaz de carregar informações opostas simultaneamente. Além disso, devido a um fenômeno conhecido como entrelaçamento quântico, duas partículas separadas por uma grande distância podem carregar exatamente a mesma informação e, se uma for alterada, a outra muda instantaneamente.
Um dos desafios para se dominar o uso dos fenômenos quânticos e aproveitá-lo para a transmissão de dados é “guiar” as informações: com os aparelhos atuais, só é possível guiar um fóton (partícula elementar usada em experimentos quânticos) através de uma única fibra ótica, o que limita bastante a transmissão.
Recentemente, porém, um grupo de físicos da Universidade de Tsinghau (China) desenvolveu um roteador quântico (o primeiro já feito), capaz de direcionar dados quânticos de modo mais eficiente. Por meio de uma série de pequenos espelhos e placas metálicas, em conjunto com manipulação de fótons, eles deram um passo importante no desenvolvimento de tecnologias da informação baseadas nos princípios da física quântica. Apesar do sucesso do experimento, porém, esse roteador tem diversas limitações técnicas – mas deve inspirar novas iniciativas.
A internet quântica chegará… algum dia.[Technology Review][HypeScience]

NASA divulga primeiro vídeo colorido da Curiosity



A agência espacial americana (Nasa) divulgou o primeiro vídeo com imagens coloridas do pouso do robô Curiosity em Marte, que ocorreu na segunda-feira (6) após uma viagem de oito meses e meio e 352 milhões de quilômetros. 

Câmera Mardi, localizada no Curiosity, mostra o momento após o escudo térmico de 4,5 m de diâmetro ter se desprendido do robô, a uma distância de 16 metros. Foto: Nasa/JPL-Caltech/Malin Space Science Systems
São 297 quadros em stop-motion, em baixa resolução (192 por 144 pixels), que revelam os dois minutos e meio finais de descida do veículo ao planeta vermelho, quando o escudo térmico que protegia o jipe foi liberado, e também três segundos depois disso. 

Clique aqui para ver o vídeo! 

O vídeo é uma prévia das mais de 1.500 imagens feitas na descida e mantidas na memória a bordo do Curiosity. 

O robô é capaz de captar fotos coloridas por meio da câmera Mars Descent Imager (Mardi), que fica no chassi do veículo e registra tudo em uma resolução de 1.600 x 1.200 pixels, com cinco frames por segundo. 

Agora, foram divulgadas imagens menores, mas ao longo dos próximos meses devem chegar outras bem definidas. 

A missão do Curiosity inclui coletar e analisar rochas e materiais do solo em busca de elementos-chave para a vida. 

O primeiro dia da missão, chamado pela Nasa de Sol 1, começou oficialmente na segunda-feira (6), e a missão toda deve durar pelo menos dois anos terrestres ou um ano marciano.[AstroNews] 

Curiosity Capta Imagem 3D de Marte


Duas das 17 câmeras do robô Curiosity registraram imagens em 3D de Marte, vistas das partes frontal e traseira do jipe, que está no planeta vermelho desde segunda-feira (6). A missão de pelo menos dois anos vai coletar e analisar rochas e materiais do solo em busca de elementos-chave para a vida. 


Imagem em 3D revela a frente do robô e parte do Monte Sharp, de 5,5 km de altura. Foto: Nasa/JPL-Caltech



Os controladores da missão, no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da agência espacial americana (Nasa), têm feito testes para verificar o funcionamento de todos os sistemas e das câmeras do robô. Essas duas em 3D se chamam Hazard-Avoidance ("fuga do perigo", em inglês). 
Como o Curiosity faz registros em ultra grande-angular, o resultado é depois "endireitado" pelos técnicos, para corrigir distorções. 

O robô é capaz de captar fotos coloridas por meio da câmera Mars Descent Imager (Mardi), que fica no chassi do veículo e registra tudo em uma resolução de 1.600 x 1.200 pixels, com cinco frames por segundo. 

Até agora, estão disponíveis apenas imagens em baixa resolução, mas ao longo dos próximos meses devem chegar outras bem definidas.[AstroNews] 

Mistério do Universo Resolvido por "Estrelas Impossíveis"




Mistério do Universo foi resolvido através de “estrelas impossíveis” com massa 300x a do Sol



Os cientistas chegaram a uma teoria que poderia resolver um mistério sobre a massa das estrelas.
Em 2010, cientistas da NASA descobriram 4 estrelas que superavam absolutamente tudo o que já tinha sido observado – elas possuíam massa 300 vezes maior que a do Sol, sendo duas vezes maior do que os astrônomos julgavam ser possível.
Agora, pesquisadores da Universidade de Bonn, Alemanha, dizem que as estrelas que são partes da Grande Nuvem de Magalhães, 160.000 anos-luz de distância da Terra, podem ter adquirido grande massa devido a fusões e aquisições.
Até 2010, pesquisadores imaginavam que o limite de massa para as estrelas recém-nascidas deveria ser 150 vezes a do Sol. Este valor representava um limite universal e parecia aplicar-se em todas as estrelas em formação.
Não apenas o limite superior de massa, mas a massa inteira de qualquer conjunto de estrelas recém-nascidas parecia ser idêntica, independente do local do nascimento estelar”, declarou o professor Dr. Pavel Kroupa da Universidade de Bonn, coautor do estudo, em entrevista ao portal britânicoDailyMail.
O processo de nascimento de uma estrela parecia ser sempre o mesmo e universal. Mas, as estrelas no sistema R136 na Grande Nuvem de Magalhães, mostrou que o limite teorizado estava errado.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Nebulosa da Rosa


NGC 2237 ou Nebulosa da Roseta


Em músicas e poesias, é comum um apaixonado declamar que poderia dar até uma estrela para sua amada como forma de demonstrar seu amor. Mas se você é nerd e gosta de universo, surpreenda a pessoa que você ama dizendo seus sentimentos são tão profundos que você poderia ir em busca da nebulosa Roseta por ela. Depois, explique que a nebulosa tem o formato de uma linda rosa, no meio do espaço. Melhor do que uma estrela, não é?
A nebulosa Roseta é uma gigantesca nuvem cósmica de gás e poeira a 5,2 mil anos-luz de distância da Terra. A flor tem o diâmetro de 130 anos-luz e estima-se que tenha a massa de 10 mil sóis – ok, não vai ser fácil dar essa rosa para a pessoa que você ama. No centro da nebulosa, você verá um buraco. Essa lacuna foi gerada quando estrelas recém-formadas no núcleo da nebulosa se inflamaram e afastaram o gás circundante.
A nebulosa está perto de uma extremidade de uma nuvem molecular gigante na região da constelação de Monoceros (conhecida como Unicórnio), na Via Láctea. As pétalas da rosa espacial têm uma encantadora forma simétrica, que são resultado de ventos e da radiação emitida por estrelas quentes e jovens no interior da nebulosa.
Se você é um amante do espaço, pode identificar essa deslumbrante nebulosa com facilidade. Ela pode ser vista com um telescópio simples, na direção da constelação do Unicórnio. A nebulosa Roseta é a mais famosa nuvem cósmica em forma de flor – mas não é a única. Confira também a imagem da nebulosa Tulipa, na constelação do Cisne e anebulosa Íris. [APOD/Across the Universe][HypeScience]

domingo, 5 de agosto de 2012

Morte de Estrela cria nova era na relatividade de testes


Morte de uma estrela inaugura uma nova era para testes na Relatividade

No ano passado, astrônomos descobriram um buraco negro em uma galáxia distante que surgiu depois de destruir e consumir uma estrela de passagem. Agora, pesquisadores identificaram um distintivo sinal de raios-X observado nos dias seguintes a "ejeção" vem da matéria à beira de cair no buraco negro.

Este sinal avisador, chamado de oscilação quase Periódica ou QPO (sigla em Inglês), é uma característica de discos de acreção que muitas vezes cercam os objetos mais compactos do universo - estrelas anãs brancas, estrelas de nêutrons e buracos negros. Os QPOs têm sido vistos em muitos buracos negros de massa estelar, e há evidência tentadora para eles em alguns buracos negros que podem ter massas médias entre 100 e 100.000 vezes a do sol.

Esta ilustração destaca as principais características do Swift J1644 + 57 e resume o que os astrônomos descobriram sobre ele. Crédito: NASA Goddard Space Flight Center TRADUZIDA POR: Douglas Ferrari