sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Cientistas dizem que quebra da velocidade da luz não ocorreu


Um grupo de físicos comprovou que os famosos neutrinos, que pareciam viajar mais rápido do que a luz, na verdade não viajam tão rápido assim. Eles afirmam isso porque as partículas não emitiram um tipo de radiação específico.
De acordo com um dos físicos desse estudo, é difícil contra argumentar essa última objeção sobre o resultado “mais rápido do que a luz”, que foi produzido por outros cientistas na Itália.
O grupo, com base em Roma, argumenta que qualquer partícula que ultrapasse essa velocidade deveria emitir um tipo particular de radiação enquanto viaja. Como eles não detectaram nada disso nos neutrinos – e porque as partículas não pareciam emitir radiação não detectável – elas deveriam estar em velocidade menor ou igual à da luz.
Eles afirmam que o outro experimento, que disse ter enviado neutrinos de um laboratório na Suíça até outro na Itália em 60 nanosegundos mais rápido do que a luz, deve ter errado a medição de tempo.
O argumento é o seguinte: em alguns casos especiais, partículas conseguem viajar mais rápido do que fótons (partículas de luz) quando penetram em um meio, como o vidro. Isso acontece quando os fótons interagem com os átomos do meio, sendo absorvidos e reemitidos tantas vezes que a velocidade cai muito. Isso permite que outras partículas sejam mais rápidas do que a luz, mas ainda assim menos do que a velocidade normal da luz (ou “c”, a conotação usada para ela).
Quando partículas carregadas propagam-se em um meio, mais rápidas do que a luz, elas emitem uma agitação de fótons conhecida como radiação Cherenkov, análoga ao estrondo sônico que os jatos de guerra fazem quando ultrapassam a velocidade do som. O efeito Cherenkov é previsto pelo modelo tradicional das partículas físicas e também é observável no mundo real, geralmente como um brilho azul que emana de núcleos de reatores nucleares.
Após o teste com os neutrinos, os físicos Andrew Cohen e Sheldon Glashow, da Universidade de Boston, argumentaram que uma radiação similar à Cherenkov, mas ligada aos neutrinos em vez de partículas carregadas, deveria estar emanando do feixe de neutrinos usado. Se eles estavam emitindo essa radiação, tinham que estar perdendo muita energia.
O físico da Universidade da Califórnia, David Cline, e membro do estudo mais recente, afirma que uma radiação similar à Cherenkov, na forma de fótons e pares de elétrons-pósitrons, estaria saindo do que os físicos chamam de “partículas virtuais”, pairando ao redor dos neutrinos.
“A luz Cherenkov vem dessas partículas quando a velocidade da luz é ultrapassada. É difícil argumentar contra esse fato”, afirma Cline.
Dias após a primeira equipe anunciar que havia melhorado e repetido o experimento da velocidade, os físicos do segundo grupo refutaram-no. Eles analisaram dados do feixe de neutrinos e não descobriram evidência alguma de elétrons-pósitrons vindo dos neutrinos.
Eles também disseram que não havia marcas no espectro energético dos neutrinos que implicassem uma emissão de radiação similar à Cherenkov. Conclusão: de acordo com as leis aceitas da física, a velocidade dos neutrinos deve ter sido igual, mas não superior à da luz.
O único contra-argumento possível, de acordo com Cline, é se o venerado e testado modelo padrão das partículas físicas estiver errado. “E claro, isso pode acontecer”, afirma. [LiveScience]

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Relação Homem-natureza

  O ser humano sempre foi dependente da natureza, algo óbvio, a partir do momento em que nossa espécie deixou de ser nômade e começou a se estabelecer em locais fixos e formar cidades e sociedades amplas, passou do aspecto de se adaptar a natureza para sobrevivência própria, para adaptar a natureza às suas necessidades. Até certo ponto de vista esta é uma coisa maravilhosa, Mas e o que acontece após a modificação?

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Pensando em trabalhar de astronauta?

Notícia: NASA abre processo seletivo para contratação de astronautas.

 Para interessados que sonham trabalhar como astronauta na NASA, boa notícia: a agência espacial norte-americana está com inscrições abertas para o cargo.  A posição requer treinamentos duros para missões de longa duração. O salário anual é a partir de 64,724 mil dólares a 141,715 mil dólares....

domingo, 25 de dezembro de 2011

O que é Filosofia?


  De forma sucinta neste post, procura-se explicar o que é filosofia. Confira a postagem completa para conhecer seu conteúdo.

Planetas reduzidos por estrelas

Descobertos planetas reduzidos por estrelas

S. Charpinet / Nature / Divulgação


 Dois planetas de tamanhos comparáveis com o da Terra foram descobertos por um grupo internacional de cientistas. A descrição dos dois, que orbitam uma velha estrela que passou pelo estágio de gigante vermelha, está na edição desta quinta-feira (22/12) da revista Nature.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Descobertos planetas de tamanho similar a Terra

NASA descobre primeiro planeta do tamanho da Terra planetas além do nosso Sistema Solar.



Moffet Field, Califórnia - missão Kepler da NASA descobriu o primeiro planeta do tamanho da Terra orbitando uma estrela tipo-Sol fora do nosso sistema solar. Os planetas, chamado Kepler-20e e Kepler-20f, estão muito próximas de suas estrelas para estar na chamada zona habitável, onde pode existir água líquida na superfície de um planeta, mas eles são os menores exoplanetas já confirmou em torno de uma estrela como o nosso dom.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Inteligência Extraterrestre?

    A pergunta que às vezes mais pode intrigar o pensamento humano é: Estamos sós no universo?
e também não era de se esperar que fosse uma questão que não causasse espanto e admiração de muitas pessoas, com a sua complexidade de análise e as duas únicas possíveis respostas, sim ou não!  É com certeza, uma das mais antigas perguntas posteriores às: De onde viemos? para onde vamos? existe um criador?... e finalmente Estamos sós?

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Canal no You Tube

  Criamos um canal no You Tube, estamos idealizando alguns vídeos, e iremos com a ajuda também audiovisual divulgar a ciência para você. O link que segue abaixo é o do nosso canal no you tube:


   Em breve teremos vídeos criados por nós para ajudar a divulgar a ciência, pensamentos filosóficos dentre outros mais que se encaixam na maneira científica de analise.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O que é Cosmologia


O Que é a cosmologia? neste post vamos entender a história e o que é a cosmologia...

domingo, 11 de dezembro de 2011

Pistas de água encontradas em Marte



   Depósitos de mineiras recém-descobertos pela sonda terrestre Opportunity dão mais uma forte pista de que Marte teve água líquida em seu passado. Os veios brilhantes encontrado são, aparentemente, gesso, e teriam sido depositados pela água.

Política?



Confira este vídeo do Felipe Neto, que apesar de conter algumas palavras de baixo calão, é a verdade que se faz dita. Sei que o blog é para divulgação científica e que de fato esta analise entra nas ciências humanas em filosofia e sociologia. Bem faça suas analises e veja se concorda com isso.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Inteligência sendo superada por motivo fútil

  Bem vamos divulgar aqui no nosso blog um vídeo de Felipe Neto, Não faz sentido Cultura da Bunda.
eu (Douglas), concordo com o Felipe Neto quando ele diz que é uma coisa idiota valorizar as mulheres pela sua bunda e não pelo conhecimento, a humanidade chegou a um ponto de ignorância inimaginável.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Alguns textos...

  Olá leitores do blog, vou compartilhar com vocês algumas redações que eu (Douglas) fiz à despeito de alguns assuntos, espero que gostem e aguardo também comentários. São textos em forma de redação bem simplificado. Em breve postaremos algo mais aprofundado nestes textos.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Voyager 1 entre os limites do sistema solar e espaço interestelar

  Já foi postado aqui sobre as espaçonaves Voyager 1 e Voyager 2. Em notícia do site G1 - Voyager entra em zona entre o espaço interestelar e sistema solar.
  A a sonda Voyager está agora a um passo de sair dos limites do sistema solar e descobrir o que está além, no espaço interestelar, ela esta ainda em excelentes condições físicas confira a reportagem contida no G1 abaixo:


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Marte reaproxima olhares da NASA

  Desde quando foi mirado os primeiros telescópios para marte em 1610 e com o aperfeiçoamento dos telescópios a imagem começou a ficar mais nítida em 1877 os telescópios passaram a aumentar a imagem do planeta que parecia ter o tamanho de uma moeda, comparado a atualidade é pouco, mas não foi pouco para que Giovanni Schiaparelli tentasse delinear as superfície do planeta vermelho e nomear as características geológicas, ele olhou o planeta noite após noite durante meses, o respeitado astrônomo Italiano traçou as linhas e lhes deu um nome. Schiaparelli interpretou-as como sendo "canais", não sabia ao certo. Como não existem linhas retas na natureza  os canais de Schiaparelli deram origem a ideia da possibilidade de vida inteligente no planeta vermelho...

sábado, 3 de dezembro de 2011

02/12 Dia da Astronomia

  Atrasamos um dia em postar esta matéria, infelizmente, mas vamos ao assunto, ontem dia 02 de dezembro é o dia nacional da astronomia...

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

O que é Ciência? (2)

Capitulo 2 do livro O Mundo Assombrado Pelos Demônios de Carl Sagan
É muito exemplificado o que é ciência, mais explicado que a primeira postagem do que é ciência.


quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Matemática




Ah sim, a matemática, o quão maravilhosa e impressionante é esta ciência, com certeza, uma das primeiras a surgir na racionalidade humana.
 O termo Matemática provém do grego máthēma (ciência/conhecimento/aprendizagem) e matemático é aquele que aprecia o conhecimento. A matemática detém-se à estudar as medidas os espaços, estruturas e variações numéricas de dados práticos e/ou teóricos.
 Ela vem sendo construída ao longo dos anos e quanto mais se estuda mais se conhece sobre ela. Teorias e resultados milenares ainda mantêm-se aceitáveis ainda nos dias atuais, como por exemplo o teorema de pitágoras a² = b² + c² existem mais de 300 fórmulas variáveis com esses mesmos dados, e essa fórmula detém-se à calcular a área do quadrado do triângulo retângulo, e até os dias atuais mantém-se intacta e perfeita, utiliza-se a matemática em tudo ou quase tudo, em administração, ciências contábeis, exatas em si... todas as que precisam de dados concretos.
 A matemática tem registros arqueológicos que provam que ela "sempre" esteve em convivência com o ser humano desde o começo de sua racionalidade, onde usavam-a para medições de comprimento, diâmetros, dentre outros mais, para calcular distâncias entre locais e comprimentos para fazer suas armas rudimentares.
  Sem a matemática e seu estudo não teríamos, conhecimentos que se fazem necessário, como por exemplo: dinheiro, pois por de detrás há a matemática para calcular a economia financeira da coisa, não saberíamos a quantidade certa de cada coisa para por exemplo fazer um bom bolo para comermos.  
  Simplesmente, sem o estudo da matemática hoje não estaríamos neste patamar tecnológico, pois para tudo isso deve-se à um estudo aprofundado do conhecimento matemático. E convenhamos, todos os resultados da matemática são corretos, as fórmulas já inventadas, e teorizadas, que tem haver com a prática, tem resultados exatos, só erra nela se o matemático fez algum erro na fórmula e/ou interpretação de dados. As únicas coisas na matemática que estão erradas são teorias não completamente experimentadas como por exemplo a teoria da relatividade geral, onde em seu estudo da matemática em cálculos, não fora totalmente comprovada, mas após esse patamar de comprovação, todos os dados estarão corretos.
  Mas, diga-se de passagem, que das ciências exatas a matemática é a mais exata de todas... e as que utilizam dela também é, ah não ser se a teoria estiver errada.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O que é Ciência?

Um capitulo do livro "O Mundo Assombrado pelos demônios" de Carl Sagan, onde ele explica muito bem e de forma muito simples o que é a ciência. Sabemos que para um post é grande a quantidade de informação, mas garanto para você que com esse único capitulo vocês irão saber o que é a verdadeira Ciência e o que é a Pseudociência. Garanto vale a pena ler esse capitulo e com certeza o livro inteiro, se você puder ler o livro inteiro terá um conhecimento inimaginável, repassado por o incrível CARL SAGAN.


Acesse a postagem e confira o conteúdo completo...

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Espaçonave Pioneer 11

 Foi uma das primeiras sondas espaciais com intuito de exploração interestelar projetadas pela NASA. Lançada em 5 de Abril de 1973. Depois de atravessar com êxito o cinturão de asteroides em 19 de Abril de 1974, chegou em 1 de Setembro de 1974 à Saturno , tomando as primeiras fotografias a curta distância do planeta, onde pôde descobrir novas luas e anéis. Depois de seu encontro com Saturno, prosseguiu sua rota para o exterior do sistema solar, estudando as partículas energéticas do vento solar...



Espaçonave Pioneer 10

No dia 03 de Março de 1972 foi lançada a espaçonave Pioneer 10, esta foi a primeira nave espacial a atravessar o cinturão de asteróides em 15 de julho de 1972 e fez observações diretas de Júpiter em 3 de Dezembro de 1973, ela foi a primeira nave projetada para ultrapassar as barreiras do sistema solar, mas  no entanto ainda não ultrapassou a heliopausa nem tampouco a nuvem de Oort.

A Pioneer 10 está a uma distância de 100 Unidades Astronômicas do sol e viaja a uma velocidade aproximada de 12,1 Km/s em relação ao sol As sondas Pioneer são também conhecidas pelo famoso mistério que intriga os astrônomos. O fenômeno chamado anomalia Pioneer consiste em uma desaceleração inexplicada notada nas espaçonaves Pioneer 10 e 11 que parece estar atuando sobre elas a medida que estas sondas saem do Sistema Solar. Esta desaceleração é diminuta: apenas (8,74±1,33)×10−10 m/s2. Estudos recentes descartaram a gravidade como causa da anomalia Pioneer. Assim, a anomalia Pioneer permanece como um enigma não resolvido da física. Se não tem uma origem gravitacional, que tipo de força estaria atuando sobre as naves Pioneer?

Esse mistério ainda é muito intrigante e a maioria das pessoas desconhecem a Pioneer e nem tampouco este enigma na física.

Por: Douglas

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Comunicado do Ciência Sem Censura

   Estou aqui para comunicar que o blog ficará com postagens menos frequentes a partir do dia 25/11 pois um dos eu como um dos autores do blog (Douglas) estarei resolvendo uns problemas de saúde e como o Prof. Eurides outro autor do Blog trabalha na área de educação e dedica maior parte do seu tempo para lecionar, as postagens em nosso blog ficarão menos frequente, peço desculpas por esse acontecimento, mas depois de ter resolvido esse problema de saúde, voltarei a postar normalmente e continuarei a divulgação científica por meio do blog.
Obrigado pela atenção.

Série Cosmos de Carl Sagan



Vamos divulgar para todos aqueles que querem um conhecimento, o documentário COSMOS do maior divulgador da ciência de todos os tempos Carl Sagan. 


Sinopse: Cosmos foi uma série de TV realizada por Carl Sagan e sua esposa Ann Druyan, produzida pela KCET e Carl Sagan Productions, em associação com a BBC e a Polytel International, veiculada na PBS em 1980.A série Cosmos é um dos mais formidáveis exemplos da amplitude e eficácia que a divulgação científica pode atingir por meios audiovisuais, quando servida por uma personalidade carismática como Carl Sagan e por meios técnicos adequados.
Filmado ao longo de três anos, em quarenta locais de doze países, o programa Cosmos abriu a janela do Universo a mais de 500 milhões de pessoas. O segredo desta série de treze horas foi o talento de comunicador de Sagan, capaz de desmistificar o que até então fora informação científica inacessível. A versão escrita deste programa continua a ser o livro de divulgação científica mais vendido da história.
Editada recentemente pela Cosmos Studios (parte de uma fundação criada para a divulgação científica), a versão DVD da série disponibiliza um total de 780 minutos de material, distribuidos por 13 episódios de 60 minutos cada (cada epsiódio está repartido em 13 capítulos de acesso directo). Os materiais incluidos na edição DVD foram revistos pelo próprio Carl Sagan e pela sua esposa e ajudante, Ann Druyan, e após cada episódio encontrará uma apresentação das atualizações e novas descobertas científicas feitas nas matérias expostas desde o lançamento original da série nos anos 80.


Episódio 01: Os limites do Oceano Cósmico
Episódio 02: As origens da vida
Episódio 03: A Harmonia dos Mundos
Episódio 04: Céu e Inferno
Episódio 05: Os segredos de Marte
Episódio 06: Historias de Viajantes
Episódio 07: A Espinha dorsal da Noite
Episódio 08: Viagens no espaço e no tempo
Episódio 09: A vida das estrelas
Episódio 10: O Limiar da Eternidade
Episódio 11: A Persistência da Memória
Episódio 12: Enciclopedia Galáctica
Episódio 13: Quem fala em nome da Terra?


Créditos de sinopse à VideosRip

Novo Blog Parceiro

Estamos aqui para anunciar o nosso primeiro blog que está a fazer uma parceria conosco o VIDEOS RIP. Um incrível blog destinado à possibilitar às pessoas documentários dos mais variados assuntos, um blog realmente incrível que temos a honra de estarmos começando essa parceria pois, aqui divulgaremos também documentários postados nele, pois o que é da divulgação da ciência sem um bom documentário bem explicativo? e com a ajuda do VIDEOS RIP disponibilizaremos documentários à vocês.

Recomendo e vai a dica, Acesse:


Por: Douglas

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Teoria do Caos

 
Simbolo da Teoria do Caos

  Na teoria do Caos tenta-se explicar coisas caóticas que não tem a possibilidade de serem coletados dados sobre algum fenômeno e isso inviabiliza a projeções de cálculos e equações para um entendimento matemático. Como por exemplo podemos citar que o gotejar de uma torneira em uma pia, não podemos coletar qualquer dado pois, a frequência e a intensidade não são iguais, agindo de forma caótica, ou seja, aleatória e desordenada. Atualmente com a evolução da matemática e demasiadas ciências a teoria do caos procura entender e explicar tais fenômenos irregulares e caóticos.
  Nas últimas décadas Matemáticos e físicos após muito trabalho elaboraram a teoria do caos. E hoje sabe-se muito sobre tal fenômeno à ponto de serem observados resultados. Como exemplo, em 1997 dois norte-americanos conseguiram chegar (encontrar) uma fórmula para prever situações financeiras das bolsas de valores e por tal feito ganharam o premio nobel. E a teoria do caos tem aplicação em todas as áreas.
   Ela baseia-se na ideia de que movimentos iniciais por quaisquer que sejam podem implicar em consequências catastróficas, ou qualquer outro fenômeno intrigante.

Por: Douglas

Imprevistos decisivosA idéia central da tese é que pequenas alterações numa situação trazem efeitos incalculáveis
1. A essência da teoria do caos é que uma mudança muito pequena nas condições iniciais de uma situação leva a efeitos imprevisíveis. É o que acontece nesse exemplo hipotético, em que uma menina brinca despreocupadamente com sua bola. Parece uma situação sem grandes conseqüências, mas...
2. ... uma borboleta surpreende a garotinha! Pronto: apareceu a tal "pequena alteração nas condições iniciais". Com o susto, ela deixa a bola cair
3. A bola vai rolando em direção à estrada e a menina corre atrás para recuperá-la. Enquanto isso, um caminhão carregado de sal está passando por ali
4. Para não atropelar a menina, o motorista vira o volante subitamente. Mas o caminhão não agüenta a manobra e tomba. O veículo começa a pegar fogo
5. Todo o suprimento de sal começa a torrar. A fumaça do incêndio está carregada de minúsculas partículas de cloreto de sódio, que sobem para as nuvens
6. Nas nuvens, as partículas de cloreto de sódio atraem pequenas gotinhas de vapor d’água e começam a formar gotas de chuva, que crescem até terem peso suficiente para cair
7. Com as nuvens pesadas, começa a chover depois de algum tempo. Ou seja, a brincadeira inocente da menina, no fim, produziu uma alteração imprevisível nas condições climáticas!
Geometria reveladoraGráficos indicam quando um evento é caótico
Cientistas traduzem o movimento de um objeto ou de um sistema dinâmico como a atmosfera em gráficos abstratos, chamados de atratores. Dependendo do desenho que surge, dá para saber se um determinado acontecimento é previsível ou não
Ponto imóvel
O gráfico abstrato de algo estático, como uma bolinha de gude parada, é um simples ponto. Basta pensar um pouco: se não houver uma força externa, como alguém que resolva empurrá-la, a bolinha sempre vai estar ali e o ponto isolado indica essa ausência de movimento
Movimento previsível
No caso de um pêndulo, que se move harmonicamente, o gráfico do movimento tem formato espiral. Isso indica que ele se movimentará por um certo tempo até parar. Dependendo da força inicial, dá para saber exatamente quando e onde isso vai acontecer
Caos total
As equações que explicam o comportamento de eventos imprevisíveis dão origem a gráficos conhecidos como fractais, figuras de geometria maluca e detalhes infinitos. O desenho acima é a representação artística do gráfico que indica o movimento das massas de ar.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

MÍDIA NA EDUCAÇÃO

             Ao analisar o texto de Sílvio da Costa Pereira “Mídia-Educação no contexto escolar”, podemos perceber que o grande avanço das tecnologias está sobrepondo à capacidade dos seres humanos de manusear o que está disponível para seu uso, tendo vista que a importância de tais ferramentas é de muita utilidade no ensino aprendizagem.
            Algo que nos mostra como estamos deixando de lado algumas questões que seriam de enorme importância para nossas vidas e o desenvolvimento de todos nós como profissionais é como assistimos mais televisão e navegamos na Web buscando assuntos não relevantes as atividades desempenhadas ao invés de dedicarmos nosso tempo em ler bons livros, revistas etc.
            O texto aborda que devemos incentivar e propiciar a todos os alunos o uso das ferramentas tecnológicas de forma coletiva e sempre primando no desenvolvimento das capacidades críticas e lógicas dos alunos.
            O autor do texto relata que conforme pesquisa realizada  na visitação das escolas pode perceber que as tecnologias estão presentes nas unidades escolares, muitas vezes a quantidade de aparelhos é insuficiente para atender a demanda, porém são ainda pouco utilizadas e quando usadas de forma inadequada, pelo motivo de que muitos professores não tem o devido domínio e conhecimento das mesmas. Pois com todas essas tecnologias seria possível desenvolver atividades diferenciadas, estimulando o rendimento escolar dos educandos e transformando-os em agentes críticos e criativos.
            Esperamos que fossem disponibilizadas mais capacitações de multimídia para os professores, visando o domínio e integração das tecnologias contribuindo para a qualidade de um fazer pedagógico diferenciado.
 
Por:  Prof.  Eurides

Notícia sobre a Voyager 2

Creio que com certeza você não teve conhecimento desta notícia, mesmo sendo de 2007 os 

dados são interessantíssimos.



A espaçonave Voyager 2, da Nasa, descobriu que o Sistema Solar não é esférico, e tem na 

verdade um formato "amassado" devido ao efeito local do campo magnético do espaço 

interestelar profundo, anunciaram especialistas em ciência espacial.

Os dados foram recolhidos pela espaçonave em sua jornada de 30 anos aos confins do Sistema Solar, quando ela penetrou uma região conhecida como "choque de terminação", informaram os especialistas.
Os dados demonstram que o hemisfério sul da heliosfera do Sistema Solar está sendo pressionado, ou "amassado".
A Voyager 2 é a segunda espaçonave a penetrar essa região do Sistema Solar, depois da Voyager 1, que penetrou a região norte da heliosfera em dezembro de 2004.
O choque de terminação é uma área turbulenta além da órbita de Plutão, na qual os ventos solares emanados do sol são significativamente desacelerados quando se defrontam com o gás fino do espaço interestelar.
Nosso sol lança ventos solares em todas as direções, e no passado os cientistas acreditavam que essas emissões assumissem um formato de bolha em torno do sistema, formando a chamada heliosfera.
"A Voyager 2 entrou no choque terminal cerca de 1,6 bilhão de quilômetros mais perto do que a Voyager 1, no hemisfério sul da heliosfera do Sistema Solar", disse Edward Stone, do Instituto de Tecnologia da Califórnia, cientista encarregado do projeto Voyager.
Os dados da Voyager 2 são cientificamente interessantes por diversos motivos, segundo a Nasa. A espaçonave está equipada com um instrumento operacional de medição de plasma, capaz de aferir diretamente a velocidade, densidade e temperatura do vento solar. O instrumento semelhante que equipava a Voyager 1 deixou de funcionar muito tempo atrás.
Os cientistas do projeto Voyager esperavam que as temperaturas na área de choque terminal fossem da ordem de 555 mil graus, já que o material normalmente se desacelera e aquece quando encontra um obstáculo em uma onde de choque normal.
Mas de acordo com Stone as temperaturas registradas foram bem menores, da ordem de 111 mil graus.
Os cientistas acreditam que a Voyager 2 deva atingir o espaço interestelar dentro de sete a 10 anos, e estimam que sua energia baste para que continue a operar até 2020.
*Créditos de autoria para  Terra Notícias

Espaçonave Voyager 2

Voyager 2
Voyager 2







 


 
 
    
   A Voyager 2 faz parte do programa da NASA VOYAGER, onde compreende as naves Voyager 1 e Voyager 2. A Voyager 2 foi lançada em 20 de agosto de 1977. Ela tinha o intuito de passar por onde a Voyager 1 não passou, assim sendo ela atravessou o espaço entre planetas e visitou os 4 maiores planetas do sistema solar: Júpiter, Saturno (sem contar Júpiter e Saturno), Urano e Netuno. Em 1989 ela atravessou a órbita de Plutão.
   Esta usou uma técnica utilizando das forças gravitacionais para definir velocidade e direção, sendo assim economizando com combustível. Após repassar por Júpiter e Saturno, a Voyager 2 foi reaver os pontos "falhos" da sua irmã a Voyager 1, logo após isso iniciou a saída do sistema solar e consigo também leva um disco fonográfico de ouro, intitulado de "SOUNDS OF EARTH" (Sons da terra) com 1 hora e meia de música mais alguns sons da natureza, o disco traz as informações de uso como a antecessora Voyager 1 e a frase "For makers of music of all worlds and all times" (Para os fazedores de música de todos os mundos e todos os tempos).
   Em maio de 2010 a Voyager 2 alcançou a marca de 92 Unidades Astronomicas do sol e uma velocidade de  3,3 UA por ano localizando-se na constelação de Telescópio.

   A exemplo da irmã Voyager 1 daqui à  14 mil anos ou mais ela emergirá na Nuvem de Oort. E em torno de 296.000 anos ela passará há 4,3 Anos-luz da estrela Sirius. Resumindo a Voyager 2 tem quase o mesmo objetivo da Voyager 1, mas com o detalhe de que ela passou por alguns planetas onde a primeira não cruzou.

   Novamente, se a espaçonave passar por algum local, que tenha vida inteligente e ter tecnologia o suficiente para identifica-lá e intercepta-la é demasiado complexo a possibilidade, talvez em Sirius seja quase nula as chances pois ela vai passar a uma distância de 4,3 anos-luz. Mas quem sabe posterior à passagem por Sirius, e alguma civilização a encontrar? nossa para eles que talvez pensariam estar sós no cosmos seria muito interessante ver uma nave "extraterrestre" chegando próxima e contendo uma mensagem. Imaginem se amanhã a NASA divulgasse que uma sonda extraterrestre chegasse a terra contendo algum tipo de informação codificada. A alegria no futuro para nossos irmãos cósmicos seria muita.

Por: Douglas

Carl Sagan, motivo de inspiração



Carl Sagan

Na natureza, como ensinou Lavoisier lá no século XVIII, nada desaparece: tudo se transforma. Carl Edward Sagan, morto aos 62 anos, no dia 20 de dezembro de 1996, de mielodisplasia, em Seattle, nos Estados Unidos, transformou-se em conhecimento. O que ele sabia, e era muito, ensinou para milhões de semelhantes. Vivo, era uma estrela boa, de luz intensa. Morto, parece que continua assim. Vamos aqui nos permitir uma licença poética, ou melhor, científica. Vamos dizer que Sagan foi para o céu. Ele iria gostar disso.
O homem foi um popstar da divulgação científica. Seu livro Cosmos, lançado em 1980, se tornou o mais vendido de todos os tempos no campo da divulgação científica. E a série de televisão, com o mesmo nome, foi assistida por meio bilhão de pessoas em sessenta países. Nada mau para um planeta onde, segundo as pesquisas, a maior parte dos habitantes é ignorante em ciência. Talvez, justamente porque mestres como Sagan são muito raros.
Popular entre os leigos, esse nova-iorquino também ganhou respeito nos meios acadêmicos. Desde os anos 50 foi consultor da Nasa para as viagens à Lua, e para o projeto das naves Voyager, Pioneer e Galileu. Cientista brilhante, acumulou um vasto conhecimento sobre os planetas e ajudou a explicar diversos mistérios sobre eles. Como o terrível calor de Vênus, que chega a 470 graus Celsius, devido ao excesso de gás carbônico na atmosfera, ou a neblina púrpura do satélite de Saturno, Titã, causada pela presença de moléculas orgânicas. Sagan não vai ter a chance de ver os próximos passos da conquista do espaço. Ou, como ele mesmo escreveu no último capítulo de Cosmos, a “grande aventura que a humanidade está começando a empreender”. Mas é verdade que, depois dele, a humanidade também ficou um pouco mais perto do céu.

Um beijo viaja pela Galáxia

    Mais do que qualquer outro escritor de divulgação científica, Sagan fez sucesso devido ao entusiasmo com que defendia a idéia da racionalidade e do progresso. Seus temas preferidos eram os que apontavam para um futuro de grandes realizações, como as visitas possíveis aos planetas próximos, a descoberta de novos tipos de estrela ou mesmo de seres inteligentes em outros pontos da Galáxia. Mas Sagan acrescentava um algo mais ao dizer que as conquistas só aconteceriam se os homens se livrassem de seus comportamentos irracionais, coisas como as guerras, o apego às crendices, a destruição do planeta por desrespeito à ecologia.
Em outras palavras, aos olhos dos leitores o cientista aparecia como um profeta – e um profeta do melhor tipo, otimista e sempre disposto a discutir qualquer tema sem preconceito e sem arrogância. Nesse clima, teve grande importância o interesse do astrônomo pela possibilidade de encontrar alienígenas entre as estrelas. Sagan sempre fez o que pôde para entrar em contato com possíveis ETs. Nas naves Pioneer 10 e 11, lançadas em 1972 e 1973, respectivamente, colocou placas de metal contendo informações sobre este planeta e seus habitantes. Antes de mais nada, um desenho mostrava um casal de seres humanos nus. Ao lado, uma carta planetária dava a localização da Terra na Galáxia.
Em 1976, o experimento foi repetido nas Voyager I e II, que, em meio a uma parafernália de aparelhos científicos, transportavam discos de ouro contendo saudações em mais de sessenta línguas, além de sons de baleias e o estalar de um beijo. De quebra, colocou dezessete fotos digitalizadas e várias músicas. “Queríamos mandar uma canção dos Beatles, Here Comes the Sun, mas acho que os donos dos direitos autorais ficaram com medo de alguma pirataria extraterrestre”, ironizou Sagan. “O fato é que não permitiram.”
O cientista também foi uma figura central em várias tentativas de captar, via rádio, recados inteligentes vindos de outros recantos da Galáxia. Entre os projetos dessa categoria, o mais conhecido foi o SETI, sigla em inglês para a expressão “busca de inteligência extraterrestre”.
Apesar disso tudo, Sagan combatia a crença em discos-voadores. A chance de um ser inteligente visitar a Terra é zero, já que, se existem civilizações tecnológicas além da nossa, devem ser raríssimas. Afinal, diante das imensas distâncias cósmicas, seria o cúmulo da coincidência duas delas se encontrar. Em seu último livro, O Mundo Assombrado pelos Demônios, o astrônomo explica exaustivamente sua posição sobre esse ponto e ataca sem piedade todo tipo de crendices e bruxarias, do alegado poder dos cristais à existência de Atlântida. Definitivamente, a crença de Sagan era a ciência. Como ele ensinou: “Somente uma visão cética do mundo pode levar à ciência”.

Efeito estufa no estilo venusiano
    A pesada atmosfera do planeta Vênus deu a Sagan a oportunidade de realizar sua principal contribuição ao conhecimento científico moderno. O desafio era simples. Como Vênus é muito similar à Terra, não havia motivo lógico para a altíssima temperatura medida na sua superfície, que gira em torno de 470 graus Celsius, o suficiente para derreter chumbo. As análises feitas por Sagan e outros levaram à conclusão de que o calor absurdo vinha da imensa quantidade de gás carbônico existente no ar venusiano. Esse gás deixa a luz do Sol entrar e aquecer o solo, mas não a deixa voltar para o espaço em forma de calor. É o efeito estufa, o mesmo que, em escala muitíssimo menor, é acusado de elevar a temperatura da Terra.
O astrônomo também deu uma explicação convincente para as intrigantes mudanças de cor observadas periodicamente na superfície marciana. O motivo, apontado por Sagan, são tempestades de areia, tão grandes que parecem escurecer o solo avermelhado. Curiosamente, esse problema é semelhante às enigmáticas neblinas cor de cobre vistas em Titã, uma lua gigante de Saturno. Esse outro mistério Sagan resolveu na década de 80, analisando fotografias antigas da lua de Saturno. Concluiu que a neblina era feita de hidrocarbonetos, que são moléculas orgânicas do tipo das que se encontram no petróleo.
Há poucos meses, ele lamentou não ter informações novas sobre a lua saturnina. “Mal posso esperar que uma sonda espacial aterrisse lá e traga dados mais precisos de sua superfície.” Sagan morreu antes de realizar esse desejo. Mas os astrônomos se encarregaram de premiar sua dedicação ao conhecimento dos planetas dando a um asteróide o nome 2709 Sagan. Ou seja, não foi só como uma metáfora que, em uma das várias homenagens após morte, um de seus alunos escreveu: “O céu era seu lar. Ele está finalmente em casa”.

*Todos os créditos de autoria para revista super interessante

Por: Douglas

domingo, 20 de novembro de 2011

Espaçonave Voyager 1


   Muitos desconhecem a espaçonave Voyager 1 (lançada em 5 de setembro de 1997) ela com o intuito de explorar o sistema solar e, posteriormente o espaço interestelar.

   Voyager 1: 


   Após ser lançada cumpriu um objetivo de estudar Júpiter e seus satélites (obtendo mais de 19 mil imagens), Saturno através de fotos de elevada qualidade e mais aparelhos de medições científicas instalados em sua plataforma. Descobriu três satélites em Saturno até então desconhecidos:  Atlas, Prometeu e Pandora. Após sua missão de explorar o sistema solar ela iniciou uma jornada para rumo as fronteiras do sistema solar e adentrar no espaço interestelar para o estudo da heliosfera e heliopausa.

   A Voyager  1 começou a fotografar Júpiter em janeiro de 1979, sua aproximação máxima foi no dia 5 de março de 1979 a uma distância aproximada de 394.000 km do centro do planeta terminou de fotografa-lo em abril de 1979.
Fluxo de lava em vulcão de Io
A Grande Mancha vermelha (Voyager 1)
   Em 1980 a Voyager 1 passou por Saturno com aproximação máxima em 12 de novembro de 1980, a sonda chegou à 124.000 km de distância das nuvens superiores de Saturno as câmeras da Voyager detectaram estruturas demasiadas complexas nos anéis de Saturno e seus instrumentos de sensoriamento remoto estudaram a atmosfera de Saturno e sua maior lua Titã.
Anel F de Saturno

Saturno fotografado pela Voyager 1 há uma
distância de 5,3 milhões de quilômetros 
    Estado atual, em 2010 ela percorreu 113,3 unidades astonomicas, ou seja, 16.949.438.671 Trilhões de quilômetros. Em torno de 14 mil anos caso nenhum evento destrua a Voyager como por exemplo cometas, detritos interestelares, e eventos físicos que possam comprometer ela, deverá estar na Nuvem de Oort, "lar" dos cometas, muito além dos limites da heliosfera, mas ainda considerada os extremos do sistema solar. Em 40.000 anos ela deverá passar há 1,6 anos-luz de distância da estrela AC+ 79 3888 da constelação de girafa atualmente esta estrela pertence à esta constelação, mas daqui há 40.000 anos ela estará na constelação de Ofiúco, seguindo em sua eterna viagem interestelar. Até 2015 ela deverá ter deixado o sistema solar. 

   A Voyager tem outro intuito além de exploração, tem anexado um Golden Record (Disco de Ouro) idealizado por Carl Sagan e mais cientistas, ele contém imagens e sons selecionados como amostra da diversidade de culturas existentes em nosso planeta e são destinados à qualquer possível civilização inteligente que o encontre, claro que se for encontrado este passará como uma capsula do tempo, pois se uma civilização a encontrar verá que existe mais seres inteligentes que tentaram "contato", mas não será o contato, pois as informações nossas estão no passado (Para eles), então o disco é como se fosse uma saudação um "Olá, Vocês não estão sós no cosmos". O disco tem instruções de como ser decodificado e de como acessar os dados guardados nele.

Disco de Ouro

Capa do Disco e Instruções de uso, e os traçados com um ponto no meio é a localização "estimada" do sistema solar utilizando Estrelas Pulsares como referência

   Como dito anteriormente o conteúdo do disco foi criado por um comitê da NASA chefiado por Carl Sagan da Universidade Cornell eles reuniram 115 imagens e mais sons naturais, além disso  foi incluído uma coletânea musical com obras de diversas épocas e culturas. Foram também registradas saudações em 55 línguas, as 115 imagens foram gravadas de forma analógica e a maioria do disco projetado para ser tocado em 16²/³ RPM.

   O disco é feito com uma placa de cobre banhada a ouro. Uma amostra puríssima de Urânio-238 foi galvanizada na capa do disco para que os possíveis seres inteligentes a encontrassem poderiam utilizar de conhecimentos para calcular a idade do disco, já que o Urânio-238 foi criado no mesmo ano para a criação do disco e sua Meia vida é de 4,5 bilhões de anos.

   Agora, se uma civilização inteligente encontrar ou não a Voyager e conseguir decodificar o disco é questão de "sorte" porém, não teremos conhecimento deste feito, mas este experimento cientifico foi de muito valor e ainda será de muito valor, já que ainda tem inúmeras coisas à serem descobertas. Segue em anexo abaixo para finalizar o post:

Série Cosmos: A saga dos viajantes (dublado em Português) retrata justamente o tema abordado sobre a espaçonave Voyager.

...Em breve sobre Voyager 2 aguarde.
Por: Douglas

sábado, 19 de novembro de 2011

Neutrino bate velocidade da luz?

Teoria de Einstein Ameaçada?


Convenhamos que está muito rápido para afirmar se Einstein errou ao dizer que nada no cosmos pudesse ultrapassar a velocidade da luz, como alguns sabem que em setembro deste ano foi anunciado que partículas subatômicas haviam ultrapassado o limite intransponível da velocidade da luz que Albert Einstein afirmou que nada pode ser mais rápido que a mesma. foi prometido novos testes para verificar tal feito, refizeram os testes e a notícia que foi encontrada no site: http://www.bbc.co.uk/portuguese/ultimas_noticias/2011/11/111118_velocidade_luz_rp_rn.shtml 

NOVO TESTE, PARTÍCULAS VOLTAM A VIAJAR MAIS RÁPIDO QUE A LUZ

"Cientistas repetiram com sucesso um experimento que aparentemente fez com que partículas subatômicas viajassem mais rápido que a velocidade da luz.
A descoberta original, divulgada em setembro, foi recebida com ceticismo por muitos, já que ela contraria a tese antiga de que nada pode quebrar a velocidade da luz.
No entanto, uma equipe baseada no Centro Europeu para Pesquisas Nucleares (Cern, sigla em francês), sediado na Suíça, conduziu uma versão modificada do teste e atingiu os mesmo resultados.
No experimento, as partículas subatômicas - chamadas neutrinos - viajaram pouco acima da velocidade da luz. A equipe afirma que mais testes serão realizados."

Agora façamos a seguinte análise: há vários anos a teoria da relatividade foi comprovada cientificamente, a unica questão pendente foi a da velocidade da luz, se haveria algo mais rápido, e em setembro o CERN afirmou que superou a velocidade da luz. Pensamos que o teste foi refeito, chegaram ao mesmo resultado, há um bom tempo o caso ficou sem notícia,  e reapareceu, só que vejamos, por que todas as instituições parecidas com o CERN não fazem experiências iguais e tentam provar ou não que a velocidade da luz foi batida? 
É uma boa pergunta à se fazer, na teoria da relatividade geral de Albert Einstein diz, que quando qualquer partícula, se possível, atravessasse a velocidade da luz ela voltaria no tempo, então, fora o "ser mais veloz que a luz" não bastaria para chegar alguns nano segundos antes da luz, ela chegaria ainda mais antes pois ela voltaria no tempo?
Pergunta-se: Estes experimentos estão sendo feitos no vácuo? pois Einstein deixa claro que: A velocidade da luz é intransponível, no vácuo. Ainda devemos agir com ceticismo quanto à esses dados, e esperar mais experimentações para poder saber se a velocidade da luz foi batida ou não pelo neutrino.


Por: Douglas